Notícias

Fake News: saiba como identificá-las

  • editor editor
  • data
  • 0
  • 0


Não é fácil, mas podemos notar “rastros” suspeitos quando recebemos uma Fake News. Com a facilidade ao acesso à informação, aumentaram as chances do compartilhamento de materiais sem procedência garantida. Vamos te mostrar como evitar o compartilhamento das Fake News e como identificá-las como sendo, de fato, informações falsas.  

A maioria de nós em algum momento da vida já se deparou com uma notícia falsa e, achando que estaríamos promovendo o bem, passamos aquela determinada informação adiante, proporcionando assim ainda mais vasão as essas “informações”.

Dados explicam  


Estudos feitos pelo renomado Massachusetts Institute of Technology (MIT), ou Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, mostram que o ser humano tem uma forte tendência para compartilhar Fake News. Esse tipo de informação costuma se espalhar na internet até seis vezes mais rapidamente que as informações verdadeiras.

E não são os supercomputadores os responsáveis pelo envio e disseminação das fakes, os cientistas calcularam que é o próprio ser humano que provoca o que foi denominado de “cascata de rumores”. Eles chegaram a esses dados depois de criarem uma série de Fake News em redes sociais, como o Twitter®.

As notícias falsas se espalharam entre 1 mil e 100 mil pessoas, enquanto notícias verdadeiras mal chegaram aos 1 mil compartilhamentos. As Fake News tiveram um desempenho estrondoso em relação ao alcance e a velocidade da disseminação, comprovando a euforia da população em passar adiante a notícia.

Como perceber uma Fake News


Como vimos, a responsabilidade de passar adiante esse tipo de informação é das próprias pessoas que as recebem e, sem checar a autenticidade, repassam em grupos e publicações das mídias sociais.

Para você não fazer parte do time da população que ajuda a propagar esses rumores, separamos algumas dicas que talvez vão fazer você pensar duas vezes antes de repassar uma informação “interessante”.



1 – O primeiro passo é checar se a notícia é verdadeira, para isso busque segundas opiniões. Não acredite no que você recebeu “logo de cara”. Cheque as notícias em sites específicos de jornalismo ou relacionados ao assunto da informação. Sites confiáveis costumam, inclusive, separar um espaço para responder ou orientar sobre as Fake News do “momento”.

2 –Cheque a fonte da informação, procure no texto que você recebeu se há uma assinatura da notícia, nome de alguém, de uma empresa ou do órgão que emitiu aquela nota. Caso não houver nenhuma assinatura da reportagem, busque em sites oficiais citados pela nota ou, novamente, cheque em sites de notícias confiáveis de grandes veículos de comunicação.

3 – Fake Newssão geralmente notícias “bombásticas”, que “alertam” sobre novidades nos mais variados âmbitos sociais como saúde, leis, projetos do governo, economia, investimentos, promoções, segurança e muitos outros temas que rapidamente se pulverizam entre a sociedade. Pois são “informações” que afetam diretamente a rotina social, logo ganham atenção imediata da população. Por isso desconfie dessas “bombas” e, como já mencionamos, busque outras opiniões em fontes oficiais. Se for uma notícia falando sobre o aumento de um imposto por exemplo, procure sites de economia. Se for um alerta de uma doença procure informações em sites do Ministério da Saúde ou órgãos oficiais ligados a área da saúde, e assim por diante.

4 – Busque o bom senso. Com tantos alertas de Fake News e o estrago que elas podem causar, é primordial antes de publicar ou compartilhar algo, você usar a sua percepção. Você pode fazer um exercício dizendo para você mesmo: “paro, leio, penso, reflito!”. Se você ficar com aquela pulga atrás da orelha é porque talvez seu bom senso esteja te alertando, e isso é um bom sinal. Compartilhar Fake News é crime, por tanto a responsabilidade de nossos atos, principalmente nas redes sociais, nos obriga a sermos cada vez mais responsáveis por aquilo que publicamos, pensar nos efeitos é imprescindível!

5 – Fique atento a ortografia do texto. Muitas vezes as Fake News vêm “recheadas” de erros básicos de português. Se tiver dúvidas você pode passar o texto em algum corretor para checar se tudo está escrito de forma correta. A formatação do texto também difere bastante de publicações verdadeiras, não seguindo padrões básicos de notas oficiais ou reportagens jornalísticas.

6 – Caso a dúvida persistir recorra a um dos sites mais famosos de busca na internet, que costuma responder quase tudo, o Google®. Cheque nele se há outros tipos de notícias ou informações a respeito na internet, em outros sites, ou se há alertas de Fake News sobre o assunto em questão. O Google é uma ótima ferramenta para isso.

Penalizações para que compartilhar


As Fakes News costumam ganhar ainda mais força no Brasil em épocas de campanhas eleitorais, seja nas eleições para Presidente ou nas de Prefeitos. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou novas regras para tentar frear a propagação das notícias falsas, que já valem para as eleições de prefeitos e vereadores neste ano de 2020.

As fakes já eram passíveis de punição pela lei eleitoral. Quem for descoberto pelas autoridades disseminando notícias falsas pode levar multa ou até mesmo ir para prisão, penas de 2 meses até 1 ano. Promover calúnias em épocas eleitorais por exemplo, pode resultar em multas e prisões, penas que vão de 6 meses até 2 anos.