Moda

O Plus Size bate recorde de faturamento

  • editor editor
  • data
  • 0
  • 0

Antes de falarmos de moda, vale ressaltar que existem dados preocupantes sobre a taxa de obesos no Brasil, primeiramente é importante saber que a população está, cada vez mais, aceitando o seu corpo e o seu modo de vida. O Plus Size já não é mais motivo de vergonha e de preconceito. Porém, há uma diferença entre não aceitar os padrões impostos pela sociedade (empresas e mídia), seguindo seu próprio padrão e modo de vida, e de se desleixar quanto aos cuidados básicos em relação à saúde.

Primeiro vamos deixar claro que os investimentos no plus size são muito bem-vindos, para atender uma demanda crescente de brasileiros. Visto que o percentual da população brasileira com mais de 20 anos considerada obesa mais que dobrou entre 2003 e 2019, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).



O dado mais recente aponta que, no ano passado (2019), 26,8% dos brasileiros nesta faixa etária eram considerados obesos, enquanto o percentual era de 12,2% há 16 anos.

No período, a prevalência da obesidade feminina passou de 14,5% para 30,2%, enquanto a masculina subiu de 9,6% para 22,8%. Ou seja, a demanda por roupas, acessórios e outros itens que atendam de maneira satisfatória o público plus size, está aumentando muito a cada ano. Por isso, eis aqui uma oportunidade de aproveitar esse boom para, quem sabe, ser o diferencial entre os consumidores.

Reforçando que não temos o intuito de incentivar as pessoas a continuarem com o sobrepeso (que é prejudicial a saúde e acarreta vários outros problemas físicos e psicológicos), mas destacar que esse é uma necessidade real da sociedade, e que é preciso atender, também, com respeito, carinho e inclusão, essa parcela crescente da população brasileira.

Brasil está mais “plus


O sobrepeso atinge hoje no Brasil, acredite se quiser, algo em torno de 60% da população, ainda de acordo com dados do IBGE. Ao todo, em 2019, 60,3% da população de 18 anos ou mais de idade (96 milhões de pessoas) foram consideradas com excesso de peso, sendo 62,6% das mulheres e 57,5% dos homens. Ainda de acordo com a pesquisa, o excesso de peso também ocorria em 19,4% dos adolescentes de 15 a 17 anos de idade, sendo 22,9% das moças e 16% dos rapazes.

Dados do faturamento plus size


O mercado da moda plus size vem crescendo de forma constante no Brasil e no mundo. Só para se ter uma ideia, em 2019, o mercado de moda plus size cresceu 10% e movimentou mais de R$ 7 bilhões, dados da própria Associação Brasileira do Vestuário.



A Associação Brasil Plus Size (ABPS) prevê um aumento ainda mais significativo na demanda e nos negócios plus neste ano e para o ano que vem. O mercado plus size não só ampliou em relação às roupas de tamanhos maiores, como ele se organizou e criou a ABPS, que nasceu da união de profissionais vinculados ao setor e ao pensamento acadêmico das universidades, tendo como foco a integração e fomento de atividades científicas, mercadológicas e tecnológicas visando o crescimento e o respeito ao segmento no país.

EUA são os líderes do plus size e costumam lançar tendências

Para se ter uma ideia desse mercado no mundo, nos Estados Unidos a indústria de roupas com tamanhos maiores tem a expectativa de movimentar até 2021 mais de US$ 20 bilhões, de acordo com uma pesquisa de empresas do segmento. Os EUA são conhecidos por ser um dos poucos países que “levam a sério” esse mercado e tem lojas especializadas com muitas opções de roupas e tudo que se possa imaginar.

Aqui no Brasil o mercado já percebeu que boa parcela da população não se encaixa mais no padrão 36-44. Nem todos os consumidores são do tamanho P, M, G ou GG. É preciso mais opções! Ou isso acontece, ou os estabelecimentos irão começar a perder dinheiro (muitos já estão).

Mulheres plus querem variedade e criatividade!


Uma das reclamações comuns das mulheres plus size é a pouca variedade de roupas e acessórios, bem como a falta de criatividade do setor ou a desconexão com o que é a moda do momento como as cores, as estampas e os estilos.

Cada mulher tem um gosto diferente e elas querem, ao entrar em uma loja, ver variedade de peças, bem como achar roupas que se encaixem ao seu perfil. No Brasil são poucas as empresas que têm esse feeling e que conseguem agradar e satisfazer todos os gostos. Por isso, esta é uma oportunidade de abrir um negócio próprio ou faturar uma renda extra costurando tendências da moda no estilo plus size.

Nós separamos o link com cursos de moda que podem te ajudar a fazer com que você aprenda a costurar para você mesmo ou vender. E dessa forma começar, aos poucos, sua própria loja ou ateliê, já pensou? Pense “plus” e fature dinheiro!