Notícias

Bitcoin: vale a pena investir?

  • EditorChefe
  • data
  • 0
  • 0

Nem todo mundo domina o complexo mundo financeiro, para falar a verdade poucas pessoas conhecem bem as transações do mercado a fundo, o que é, até certo ponto, normal. E quando o assunto é Bitcoin esse percentual cai ainda mais, a dúvida que surge é: o que é esse tal de Bitcoin?

Bem, Bitcoin nada mais é do que uma moeda digital, ou uma criptomoeda. Com ela é possível comprar e vender pela internet: diferente de outras moedas, como o Dólar, Euro ou o próprio Real, o Bitcoin só existe e pode ser utilizado virtualmente ou em lojas físicas que aceitarem a criptomoeda como pagamento.

A origem do Bitcoin


O Bitcoin foi a primeira criptomoeda a circular no ambiente digital. Ele surgiu em 2009, em plena crise econômica global e, desde então, foi transacionado sem nenhuma interrupção. A criptomoeda foi anunciada por um programador que nunca revelou sua real identidade, mas seu pseudônimo é Satoshi Nakamoto.

Quando anunciado, o ativo foi desacreditado por muitos, já que não foi a primeira tentativa de conceber uma moeda digital. As tentativas anteriores fracassaram e por isso a desconfiança em relação ao Bitcoin.

Porém, ela tem uma característica muito importante que ajudou o seu sucesso atual: ela é descentralizada. Ou seja, não tem regulamentação de nenhum governo, empresa ou banco. Com isso, é possível comprar e vender Bitcoins sem intermediários.

Bitcoin não é a única criptomoeda


Hoje há, literalmente, milhares de moedas digitais dos mais diversos tipos. Algumas são cópias quase idênticas ao original, alterando apenas algumas características simples. Outras são plataformas muito mais complexas e ambiciosas, como é o caso do Ethereum, que promete muito mais do que apenas um dinheiro eletrônico.

E, assim como o precursor Bitcoin, grande parte delas é negociada na internet, em plataformas de trading organizadas e especializadas, formando assim um novo mercado em crescente efervescência: o mercado das criptomoedas. Interessante, não?

Mas como funciona o Bitcoin?


Como falamos, o bitcoin é baseado em um sistema de criptografia. É esse sistema que garante o funcionamento das transações, que acontecem de maneira anônima. Ele não passa por nenhuma regulamentação, seja de governos, empresas ou instituições financeiras. Ele é negociado em uma rede própria: o blockchain, que é um grande banco de dados.

Já no processo de “mineração” de bitcoin, computadores conectados à rede trabalham para resolver problemas e, quando resolvidos, “recebem” um bloco de bitcoins. É assim que surge essa criptomoeda.

Como posso comprar Bitcoin?


Há três formas de adquirir bitcoins e demais criptomoedas:

  1. Aceitar como pagamento no seu negócio;
  2. Comprar de alguém que tenha bitcoins ou em uma corretora de criptomoedas;
  3. Ou minerando bitcoins.


Dessas três, a mais simples e rápida é por meio de uma corretora. Para negociar Bitcoin, você deve possuir uma conta em uma corretora de criptomoedas. As mesmas são similares a uma casa de câmbio convencional, onde é possível trocar reais por dólares ou euros, mas nesse caso, você faria a troca de reais por Bitcoin.

Benefícios dos Bitcoins


Alguns analistas chamam esse ativo de “ouro digital”: ativo que replica as características do próprio ouro por não ser emitido por nenhum governo, de fácil transporte e verificável (a propósito, investir em ouro na bolsa pode ser uma boa opção para você ficar de olho);

O bitcoin pode ser considerado um ativo de diversificação contra tensões globais. Justamente por ser “independente”, sua cotação pode não sofrer ou sofrer menos alterações em caso de crises e tensões globais. A moeda digital é um ativo que não possui correlação com os mercados tradicionais, oferecendo ao investidor mais uma forma de diversificar o seu portfólio.

É um ativo deflacionário. Só existirão aproximadamente 21 milhões de unidades de bitcoin no mundo. A moeda digital pode ser transacionada até a sua 8ª casa decimal. Assim, o investidor consegue escolher com mais opções a quantidade que irá negociar.

Ricos dos Bitcoins


Todo tipo de investimento apresenta riscos. Investir em Bitcoin não é diferente. Antes de escolher investir nessa moeda, é preciso saber o seu perfil de risco, ou seja, qual sua tolerância ao risco e quais são eles.

Podemos separar 3 grupos de riscos dos ativos digitais, das criptomoedas:

  1. Risco de Sistema
  2. Risco de Usabilidade
  3. Risco de Mercado

O risco de sistema


O risco do sistema está relacionado com a tecnologia necessária para o sistema de criptomoedas funcionar. Aqui, estamos falando do que está por trás das Bitcoins.

Isso se refere a bugs ou vulnerabilidades que possam ameaçar o funcionamento do sistema de Bitcoins, ameaçando sua confiança. Esses problemas podem interferir diretamente no preço das criptomoedas. Além disso, podem resultar em perdas do ativo também. Portanto, o sistema é a base do mercado de Bitcoins. Se a tecnologia dele for ameaçada, todo o mercado do ativo em si é impactado.

O risco de usabilidade


Entre os três tipos de riscos, o risco de usabilidade é o que tem a maior chance de causar perdas aos usuários. Esse risco é referente ao armazenamento dos bitcoins. Ao contrário de dinheiro físico, que você pode guardar na sua carteira, os bitcoins precisam ser armazenados de forma virtual em um ambiente seguro.

Assim, você não corre o risco de perder as informações armazenadas no computador ou telefone celular e não conseguir acessar suas criptomoedas. O melhor caminho para armazenar suas criptomoedas é procurar por carteiras digitais. Pesquise sobre elas e veja opções confiáveis.

O risco de mercado


O risco de mercado refere-se a própria oscilação do preço das criptomoedas, esse é um risco que diferentes ativos de renda variável sofrem. No mercado financeiro a oscilação de preço dos ativos chama-se volatilidade. Alguns ativos digitas são mais voláteis do que outros.

Além disso, por serem ativos livremente negociados no mundo todo, o preço é definido pela simples interação dos compradores e vendedores, ou seja, a lei de oferta e demanda. Isso significa que não é possível prever o preço dos bitcoins para o próximo dia, por exemplo. Diversos fatores externos, como crises políticas, crises financeiras ou algum acontecimento no mercado financeiro, como a fusão de duas grandes empresas.

Assim, você deve se atentar ao risco de mercado antes de negociar criptomoedas. Esses ativos apresentam alta volatilidade em relação ao seu preço e o seu investimento é considerado de alto risco.

Afinal, investir em Bitcoin vale a pena?


Como para qualquer outro tipo de investimento, a resposta é: depende. Escolher ou não investir em Bitcoin dependerá de diversos fatores, como o seu perfil de risco, quantidade que tem para investir, qual seu objetivo e quanto tempo quer manter o investimento, por exemplo.

Antes de investir, pesquise mais sobre o tema, vale ressaltar que o Bitcoin teve alta valorização em 2020 e voltou a ser um dos assuntos mais comentados do mercado financeiro no início deste ano de 2021.